Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha

Inscrição: 04-II

Processo: 222-04/64

Data da Inscrição: 26 de janeiro de 1964

Localização
Município: PARANAGUÁ
Rua Pêcego Júnior

Proprietário:  Prefeitura Municipal de Paranaguá

HISTÓRICO

A primitiva distribuição das matas e campos no estado do Paraná era a expressão de um equilíbrio natural, no que concerne a fatores climáticos e quantidade dos solos. A relação entre temperatura e unidade constituía uma fonte de riqueza para a obtenção de produtos naturais e de cultivo. A retenção das chuvas pela cobertura vegetal elevada e a sua repetida distribuição pelos arbustos e pela camada folhosa próxima ao solo fazia com que a água se infiltrasse lentamente na superfície do mesmo e fosse absolvida pelo húmus, o que resultava em acúmulo de umidade na rede de raízes. A partir de então, lenta, mas persistente, dava-se sua passagem para as camadas mais profundas até que fosse atingido o lençol de água subterrâneo, o qual, por saturação, era devolvido à superfície na forma de olhos d’água. (Contrariamente, a desnudação do solo, por efeito de desmatamento, faz com que ele fique sob a ação direta das precipitações; a reserva de húmus diminui e, por fim, deixa de existir e o solo fica sob efeito direto de forte lavagem, o que tem como consequência imediata a diminuição do depósito de água no subsolo, acelerando-se sua redução, no círculo biológico. Por essas razões, fontes centenárias secam ou sua vazão é reduzida.)

Paranaguá, situada no sopé da Serra do Mar, degrau entre o litoral e o primeiro planalto do interior, vê desaguar em sua magnífica baía a captação de rios do planalto pelos rios das encostas da serra, fruto daquele ciclo já referido. Natural, pois, que, aqui e ali, aflorem fontes ou olhos d’água, principalmente em baixadas úmidas. É o caso da chamada Fonte Velha, que já era utilizada desde tempos imemoriais pelo aborígine que habitava a região. No último quartel do século XVI, entre 1575 e 1600, os poucos brancos de origem européia, egressos de Cananéia e de São Vicente, que se haviam estabelecido na Ilha da Cotinga, resolveram abandoná-la e fundar no continente fronteiro a nova póvoa, que dispunha de espaço maior para as atividades agrícolas e pecuárias. A escolha recaiu no chapadão localizado no alto das ribanceiras do então chamado Rio Taquaré (Itiberê), entre outras coisas “por possuir uma fonte de água nativa que brotava em meio a formosa planície e que, por falta de represamento, se escoava na direção do mar”.

A primeira providência no sentido de torná-la de utilidade pública – após haver dessedentado, talvez por séculos e séculos, o aborígine – foi tomada em 10 de abril de 1655, quando a Câmara resolveu “limpar o caminho da fonte de beber”. Na época o local da fonte era chamado Fonte de Gamboa, corruptela de camboa, designação dada pelos Carijós, que dali foram expulsos, a curral ou esteiro de apanha de peixes, sistema por eles utilizado, e procedimento técnico pesqueiro que foi herdada pelos praieiros da região. 

Feita a “limpeza” do caminho – ao longo do que é hoje a rua Conselheiro Sinimbu - , os vereadores, na sessão do dia 4 de abril de 1657, resolveram que “se providenciasse o represamento da água para consumo da população”. Convém assinalar que, na época, à exceção da Fonte de Gamboa, não havia outro manancial de água potável. Extraía-se água de poços, mas era muito salobra.

Para a execução da obra se candidataram João Gonçalves Peneda, filho presumível de Domingos Peneda ( ou Ceneda) – tido como um dos fundadores da vila e seu primeiro juiz ordinário -, e Roque Dias, que prometeram executá-la em 30 dias, o que foi feito. Mas, não tendo sido trabalho perfeito e, muito menos, definitivo, passado um ano foram traçados novos planos, consistindo “na construção de uma caixa fechada com abóbada, tendo em uma das faces uma janelinha para se proceder à limpeza do interior da dita fonte”. A nova obra custou ao erário municipal 16.000 (dezesseis mil-réis), um absurdo para a época. Constou da edificação de caixa subterrânea, tendo descoberta, apenas, a face que se voltava para o mar, e nesta se implantaram a janela de visitação e limpeza, torneiras de bronze (hoje inexistentes) e ladrões para o escoamento do excesso de líquido. A caixa se alonga em forma de galeria, protegendo o manancial, cujo volume de água vem diminuindo com o passar do tempo, embora tenha resistido a prolongadas estiagens. Entenderam, mais tarde, os vereadores, que “tamanha preciosidade” exigia “moldura mais artística”, e em 26 de dezembro de 1714 foi contratado o mestre pedreiro Agostinho da Silva Gomes para a construção de paredes, lateralmente à galeria, estrutura que até hoje ostenta.

A fonte localiza-se junto às margens do Rio Itiberê, e através da Ladeira de Santa Rita, pavimentada com lajes irregulares de pedra, as quais, segundo as crônicas, vieram de ultramar, como lastro nas ruas, se liga à Rua Conselheiro Sinimbu, antiga Rua da Fonte, nas proximidades da Igreja de São Benedito. Compõe-se de duas plataformas – a superior de forma aparentemente elíptica -, construídas em alvenaria de pedra, e com escada em cantaria ligando-as. No eixo da plataforma superior ergue-se espécie de frontão, também em alvenaria de pedra e, à sua frente, interrompe-se a mureta que circunscreve a plataforma. Através de arco sob a mureta atinge-se a plataforma inferior, constituída por tanques rasos, também murados, para os quais corre a água da fonte. Essa segunda plataforma é igualmente arrematada por mureta, cujo término é uma figura esculpida em pedra, que lança a água para o Rio Itiberê.

Após o tombamento, a prefeitura de Paranaguá deu partida ao trabalho de restauração de seu mais antigo monumento, de características nitidamente coloniais, implantando a seu redor um parque em cuja extremidade há um espelho d”agua simbolizando o Rio Itiberê, que antes dos aterros levados a termo chegava até lá. A fonte integra o Centro Histórico e é carinhosamente apelidada de “Fontinha” pela população.

GALERIA DE IMAGENS

  • Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Quadro com pintura da Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha - Livro Tombo II - Inscrição 38
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Quadro com pintura da Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Quadro com pintura da Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Quadro com pintura da Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha - Livro Tombo II - Inscrição 38
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha - Livro Tombo II - Inscrição 38
    Fonte, localizada junto ao rio Itiberê em Paranaguá, também chamada de Fonte Velha - Livro Tombo II - Inscrição 38