IGREJA DO BOM JESUS DA PEDRA FRIA

 

IGREJA DO BOM JESUS DA PEDRA FRIA

 

Inscrição Tombo 89-II
Processo Número 04/87
Data da Inscrição: 29 de janeiro de 1.988

 
Localização: Município: JAGUARIAÍVA
  Praça Dona Izabel Branco, s/n.º
Proprietário:  
  Particular - Diocese de Jacarezinho
 
 
 

HISTÓRICO

Por essa região passava o “caminho das tropas”, ligando Viamão, no Rio Grande do Sul, a Sorocaba, em São Paulo, sendo paulistas e curitibanos seus primeiros povoadores brancos. Em 1726 e feito o primeiro registro de propriedade de terra, sendo paulatinamente ocupada a região por fazendeiros de criação de gado. Como centro do comércio à beira da estrada, desenvolveu-se um povoado que no século seguinte (1823) é levado à categoria de freguesia e, em 1875, à categoria de município. 

A Igreja do Senhor Bom Jesus da Pedra Fria teve sua construção iniciada em 1869 e concluída no ano seguinte. Funcionou como matriz da cidade até 1954, quando essa função foi atribuída à Igreja de São Francisco das Chagas, construída na parte de baixo da cidade, área para qual se deslocara o centro social e econômico. A perda da sua função de matriz provocou a sua desativação por alguns anos. Em 1964, porém, foi reaberta por força da pressão da comunidade e reação das autoridades eclesiásticas locais, que procederam à sua reforma e ampliação. 

Segue o programa arquitetônico tradicional de nave, duas torres, capela-mor e sacristia. A composição plástica revela o confronto entre um arcabouço luso-brasileiro com um vocabulário neogótico, em voga na arquitetura religiosa da Segunda metade do século XIX, notadamente no estado do Paraná, por influência do clero de origem alemã. Contrapõe-se, assim, nessa igreja, uma volumetria e uma disposição de cheios e vazios típica da tradição lusitana, com as vazaduras ogivais e os zimbórios delgrados das torres, característicos da contribuição do imigrante do Norte da Europa.


Bibliografia

ARANTES, Aimoré, SHUNEMANN, Jarbas, ZUCCHERELLI, Moara.

O Santuário do Bom Jesus da Pedra Fria, Uma Análise Histórica e Arquitetônica,
Curadoria do Patrimônio Histórico e Artístico, Coordenadoria do Patrimônio Cultural,
Secretaria da Cultura, Curitiba, 1987.


ver Livro

ver Fotos

 

Ver informações e conteúdo do LIVRO ESPIRAIS DO TEMPO

 

Recomendar esta página via e-mail: